sábado, 6 de fevereiro de 2016

Pedro Américo, a voz do Kabukinóide

É com muita satisfação que trago mais uma revelação, a respeito de outro dublador que fez trabalhos nas séries japonesas nos anos 80. A descoberta desta vez, é o ator e comediante Pedro Américo

As pesquisas a respeito desta voz deram início no ano de 2009, quando revi a série Policial de Aço Jiban, feita nos tradicionais estúdios da Álamo, sob direção da Nair Silva. Inicialmente dublada em dois lotes - o primeiro no segundo semestre de 1989 e o restante no primeiro semestre de 1990 - teve sua exibição pela Rede Manchete e saiu em fitas VHS pela distribuidora Top Tape.


Exatamente nos capítulos 30 (O Misterioso Ataque ao Ator) e 31 (A Batalha Ninja), apareciam dois Bionóides com uma voz diferente das mais comuns daquele período. E era nítido que o trabalho não era feito por um iniciante, porém, foi uma interpretação que não encontrei em mais nenhum outro trabalho, em nenhuma outra série. Mesmo assim, sabia que era um nome importante e que deveria ser pesquisado.


O monstro Kabukinóide tinha uma entonação cômica, uma vez que o personagem é derivado das traducionais peças do teatro Kabuki, amplamente conhecidas no Japão. O jeito desregrado de falar dificultava a pesquisa, pois tentar descobrir o dono da voz de uma dublagem através de um falsete é um trabalho praticamente impossível. Mas em determinado trecho, a criatura fica de lado e se transforma num ser humano, o que faz com que a voz seja a "padrão" do ator. Mas isso não facilitou em nada o meu trabalho.


No episódio seguinte, o monstro Shinobinóide claramente tinha a mesma voz, porém desta vez mais rasgada, o que criava um terceiro padrão para adotar na pesquisa. E este em nenhum momento usava a voz "normal" do dublador, afim de aumentar a minha amostra de material sonoro. Sabia que esta empreitada seria árdua.

Como de praxe, contatei a diretora e muitos outros dubladores ativos naquele período, tentando saber se alguém recordava do dono da voz. Como eu imaginava, passados 20 anos, ninguém conseguiu ligar o nome da voz à pessoa. Após algumas semanas de pesquisas, fui obrigado a arquivar (mas não desistir) temporariamente este trabalho.

Passados 5 anos, o Mauro Eduardo Lima fez uma publicação em seu mural no Facebook, mencionando o nome de vários dubladores que há muito tempo já não estavam entre nós. Eu conhecia e tinha catalogado o trabalho de todos os citados, com exceção de um certo "Pedro Américo" . Indaguei inbox sobre esse ator, e obtive a seguinte resposta:


De posse dessa informação, retomei a pesquisa. Encontrei os nomes de Leda Figueiró, Zayra Zordan, Marcos Lander e Fabio Villalonga como os demais integrantes do programa do palhaço símbolo do atual SBT. Contatei os dois que estão na ativa (Figueiró e Lander são falecidos), mas as informações eram desvirtuadas, e não consegui a confirmação de qual das inúmeras vozes que tenho em meu acervo poderia pertencer ao Américo.

Eis que certo dia, não me recordo por intermédio de quem, aparece em minha linha do tempo um vídeo compartilhado de um trecho do programa do BOZO, no qual o Villalonga e o GIBI apareciam, e a moça (dona da postagem) se referia ao terceiro ator do vídeo como "pai". Nesta hora, percebi que era o momento de desvendar o mistério. Prontamente contatei a Julia Oliveira, e iniciamos uma conversa. 


Curiosamente ela também fez um curso de dublagem na Álamo nos anos 80, sob a tutela de Líbero Miguel e Ézio Ramos, e sua mãe havia trabalhado na Odil Fonobrasil. A veia artística estava no sangue da família. Mas infelizmente, até o momento, não consegui identificar a sua voz em algum trabalho da época.

Pai e filha, nos anos 70.

Pedro Américo Rodrigues Ferreira era natural do Ceará, onde cursou a Universidade Federal de Artes Cênicas naquele estado, e fazia parte da Companhia de Artes Dramáticas e Comédias. Nos anos 80, mudou-se para o Rio de Janeiro, afim de trabalhar com Os Trapalhões. O mundo girou, e este foi parar em São Paulo, sendo um dos primeiros funcionários contratados da emissora de Silvio Santos. Além das outras ocupações, também era radialista. Nascido em 1950, faleceu em 14/09/92, por conta de uma tuberculose, acarretada pelo tabagismo.

Sua filha diz que ele fez muitas dublagens na carreira, informação esta confirmada pelo texto do Mauro Eduardo, o que abre um grande leque para procurar mais trabalhos desse profissional nas minhas pesquisas focadas nos anos 80. Me contou inclusive que ele havia dublado no seriado Punky, que o SBT reprisou há alguns meses, mas a série foi tirada do ar antes de qualquer participação do Américo.

Ouça os trechos dos trabalhos dele na série do Jiban, clicando abaixo:



e

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Conversa com José Parisi Junior

Como venho tendo o prazer de fazer nos últimos anos, cá estou eu relatando mais um dia inesquecível e prazeroso de minha vida, onde tive a oportunidade de conhecer outro dublador que marcou minha infância e adolescência com seus trabalhos: ninguém menos que José Parisi Junior. Ele, que tem uma vasta carreira na arte, já foi sócio e dono de famosos estúdios ao longo dos anos, mas para aqueles que acompanham este blog, certamente não há necessidade de apresentação.

Nosso encontro e bate papo ocorreu em São Paulo, no dia 27/07/2014, nas dependências do restaurante Planeta's, um agradável estabelecimento, com ótima comida, e claro, chopp gelado. E claro, como de costume, na companhia do amigo Vitor Souza:

Parisi conversa sobre tudo, não foge de perguntas, e toca em assuntos polêmicos do passado por si só: faz questão de explicar inúmeros acontecimentos envolvendo seu nome e uma de suas empresas.

Pois bem, sem mais delongas, segue um resumo de tudo o que conversamos, focado mais no período preferido por mim da dublagem, que são os anos 80 e 90 da arte paulista:

A pergunta clichê: quando e como você iniciou a carreira na dublagem?

Comecei quando tinha menos de 10 anos, indo junto com meu pai para a A.I.C. Ficava sentado acompanhando as gravações, mas na época, confesso que não me agradava muito, afinal, via um bando de adultos em volta da estante, fumando, conversando, e cenas do que estava sendo dublado no telão, mas não em seqüência, por isso não tinha como compreender nada. Lembro de praticamente todos os precursores dessa época, talentos inigualáveis que foram meus amigos pela vida toda.


E onde encaixa o seu pai na história da arte?

Ele foi um nome importante da TV. Dirigiu e atuou em muitas obras. Fez sucesso na rede pioneira, a Tupi. E também dublou uma grande parte da vida, praticamente até falecer, no fim dos anos 80. Nessa época, a dublagem era uma arte meio abnegada, pois muita gente tinha vergonha de dizer que dublava, embora praticamente estivessem vivendo daquilo. O sinônimo de sucesso era mesmo o rádio e a TV.

José Parisi "pai": onde tudo começou.

Lembra de algum fato curioso desse início?

Um fato legal que me recordo era da qualidade da pessoa do senhor Benito di Nardo. Eu fui me aproximando dele, porque muito pouca gente dava a devida importância para a contra-regra, mas era um trabalho extremamente meticuloso na época. Cada dia ele me chamava pra ver uma coisa diferente, e uma que tenho a nítida lembrança, foi de quando ele literalmente me fez “ver o som”, através da banda magnética impressa na película. Era possível, com o uso de um aparelho AMPEX, enxergar as “ondas” do áudio. Maravilhoso e inesquecível aquilo.

Sr. Benito di Nardo: seu trabalho prevaleceu até mesmo na BKS.

Eu nasci em 1981, e quando comecei a “compreender” televisão – e também hoje vendo filmes antigos – lembro de uma participação ativa sua no estúdio BKS em meados desta década.

No final dos anos 70, lembro que peguei um personagem no seriado Chips, na BKS, que foi muito legal de fazer. A série era ótima e fazia muito sucesso. Os protagonistas eram dublados por Ricardo Marigo e Aníbal Munhoz/ Hamilton Ricardo, e um dos atores gringos saiu da série. O que entrou fui eu quem dublou. Eu fui realmente muito ativo neste estúdio até meados dos anos 80. Dublava e também dirigia. No começo dos anos 90, fiz duas novelas da Tv Bandeirantes: Os Adolescentes e Os imigrantes.

CHIPS: sucesso nos Estados Unidos e no Brasil.

Ainda sobre a BKS, tenho uma dúvida há anos: saberia me dizer do por quê das dublagens oitentistas daquele estúdio terem um áudio tão "ecoado" em comparação às outras casas no mesmo período?

Sei sim. Como a BKS ficou no lugar da AIC, as salas dos estúdios eram muito grandes, e o microfone não era o ideal para aquele tamanho. A mesma coisa ocorria com a Álamo, que tinha estúdios grandes também, mas lá, o seu Michael tinha microfones Neumann importados da Alemanha, de mais de US$ 10 mil em cada sala. É este o motivo das dublagens da Álamo serem tão nítidas que parecem som de CD, mesmo na época onde tudo era analógico.


Uma pequena entrevista no final dos anos 80, para a Tv Bandeirantes.

E sobre o período de sua “chegada” na Álamo? Segundo minhas pesquisas, foi no ano de 1988 que comecei a ouvi-lo em produções desta casa.

Lembro que cheguei na Álamo no final dos anos 80. O Líbero Miguel era Coordenador Artístico, e depois a Nair Silva. Fui funcionário contratado da empresa. Fiz muitos amigos por lá, mas tinha um ser humano que era diferenciado: seu Michael Stoll, o proprietário. Era impressionante a visão que este homem tinha, estava sempre muito a frente dos demais, sobre todos os âmbitos. E a sua empresa, idem. Os equipamentos de lá eram “Top”, tudo da mais alta tecnologia internacional. Lembro-me de muitos conselhos que me foram dados por esta figura saudosa. Ele tinha um jeito peculiar de falar, com o sotaque inglês que marcava muito.


Lembrei-me de um fato hilário: o seu Michael tinha um taco e algumas bolas de golfe que ficavam guardados na sala de cinema da empresa, e um dia, eu inventei de mexer naquilo. O pessoal da área técnica que trabalhava lá falava “olha Parisi, cuidado com isso, o seu Michael vai ficar zangado com você” e eu ignorava. Quando menos percebi, estando de costas, o homem apareceu no piso superior e soltou um “inclina mais o corpo, Parisi”, com aquele sotaque característico. Levei um susto, achando que iria ficar bravo, mas ao contrário, até me ensinou a postura correta. Foi um grande homem.

Você se recorda das suas participações nas grandes séries japonesas, que marcaram a infância de tanta gente, e são até hoje lembradas pelos fãs?

Sobre os personagens, é difícil de lembrar, mas outro dia um fã me enviou um vídeo e eu me reconheci, com a voz bem mais jovem. Fizemos mesmo muita coisa.

Rei Zeba, do Impériso Subterrâneo Tube, o vilão supremo do seriado Maskman.

Fale por favor, sobre algumas pessoas dessa época que já não estão mais entre nós.

Tinha muita gente marcante trabalhando junto nesse período. Vou citar alguns nomes: Líbero Miguel era a competência em pessoa. Aquele sim literalmente conhecia a arte como “arte”. Sempre esteve a frente de cargos de chefia ou direção, por sua competência reconhecida. Marcos Lander era ser humano fantástico. Muito inteligente e do bem. Poliglota. Pouco antes de falecer, estava finalizando os estudos em Francês, e iria morar em Paris. Eleu Salvador era outro ser humano diferenciado. Teve chances de ocupar altos cargos, mas nunca quis. Não era esse o foco dele. Waldir Wey era também um grande ator, dos primórdios de tudo, mas tinha uma personalidade um pouco introvertida. Tem também outros nomes que nortearam o ramo que merecem ser citados, como Gastão Malta, Araken Saldanha, Renato Marcio Bonfim, Baptista Linardi, enfim. 

Os três Sacerdotes dos Gorgom, vilões do Black Kamen Rider. Atuações marcantes de Patrícia Scalvi (Pérola), Ricardo Nóvoa (Danker) e José Parisi Junior (Baraom). Ao fundo, Taurus, na voz de Ricardo Pettine.

Por volta do ano de 1991, percebi a diminuição de sua participação por lá. A que se deve esse sumiço?

Nesse período, o João Francisco Garcia – também muito ativo naquele estúdio - e eu criamos uma empresa chamada ImageNoSom. Não tínhamos estúdio próprio, e locávamos ora algum da BKS, ora algum da Álamo. Fizemos novelas, filmes, várias coisas. Em pouco tempo mudamos o foco (e o nome) do projeto, e montamos a DublaVideo, que existe até hoje. Enquanto o estúdio da Rua Araçatuba não ficava pronto, continuávamos com as locações. Depois de um tempo, por divergências artísticas, me desliguei da sociedade e foquei no meu mais novo projeto solo, a Parisi Vídeo.

Beta Top Gunder, o inimigo/ aliado do herói Metalder. Nesta série, dublou também o cão Springer.

Vitor Leonardo: Parisi, e sobre o Eduardo Camarão? Falei com o Nelson Machado no Rio semana passada, e ele me disse que ele “mora e não mora no Brasil...”

O Camarão é um cara muito inteligente. Realmente, ele mora em SP seis meses por ano, e nos outros seis em Angola. Ele escreve Sitcom’s por lá, e é muito famoso. Tudo o que faz sucesso naquele país é de autoria dele. Foi Coordenador da Álamo por um breve período, e depois montou seu próprio estúdio, a Lypsinc, que não deu muito certo. Desde então, afastou-se do meio da dublagem.

Sede da Parisi Video, na Vila Madalena.

Realmente, a Parisi Video apareceu muito forte no mercado, mas foi um período que não acompanhei nada na TV, por morar, trabalhar e estudar fora. Só sei aquilo que está na internet e que saiu nas revistas da época...

A Parisi Vídeo era um projeto que vinha dando muito certo. Tínhamos trabalho, tecnologia, pessoal e infra-estrutura. Um histórico de muitas séries de sucesso também. Muitos dubladores que hoje fazem sucesso e são queridos do público, embora não tivessem começado por lá, tiveram suas carreiras alavancadas nesse período. Fizemos o primeiro CSI, uma parte de Pokémon, Inuyasha e vários filmes. Por conta deste histórico, fechei parceria para a dublagem de três animes de muitos capítulos com um grande distribuidor, o que me fez investir ainda mais no estúdio. As séries eram Crayon Shin-chan, Yu-Gi-Oh! e Super Doll Lika-chan. Todas iam muito bem na TV aberta, e as gravações seguiam a todo vapor. Eis que numa noite a Band exibiu um programa de auditório onde se dizia que de certa forma o Shin-chan – por algumas cenas mais “fortes” – incitava o homossexualismo entre as crianças, e as outras duas o satanismo. Eu já tinha dado um toque para o licenciador que algumas coisas poderiam ser consideradas "pesadas", mas como o sucesso estava no auge, ele mandou eu ignorar. No dia seguinte, um desembargador do Rio proibiu a veiculação dos desenhos em todo aquele estado, mas a geração do sinal era a nível Brasil; não havia como restringir apenas o RJ. Resultado: o canal tirou do ar sem prévio aviso. O distribuidor – que também já tinha “n” contratos ficou na mão – e eu também não podia mais desfazer o que havia sido feito. Resumindo, o desfecho foi o efeito dominó.

Yu-Gi-Oh! - o herói (em termos de sucesso) que virou vilão (complicando a empresa).

E após o fechamento do estúdio, o que fez?

Antes de responder, faço questão de ressaltar uma pessoa que esteve sempre ao meu lado na Parisi Video: a diretora Gisa della Mare. Fiquei anos afastado do meio, pois estava queimado. Tentei outras coisas, mas sem sucesso. E eu cheguei onde achei que era o fundo do poço pra mim, e tentei voltar, mas não tive muito apoio. Alguns fizeram campanha contra, outros ficaram em cima do muro, mas também tive amigos que levantaram a bandeira e bancaram a minha volta, dos quais três deles faço questão de citar: Lúcia Helena Azevedo, Leonardo Camillo, e Luiz Antonio Lobue. São pessoas de um caráter ímpar. 

Gisa della Mare e José Parisi Junior: parceria de sucesso no ápice da Parisi Video.

E assim conseguiu ingressar novamente no ramo?

Tive algumas dificuldades nessa volta, caminhos tortuosos, mas hoje posso dizer que estou feliz. Dirijo no estúdio Lexx, que é o que eu gosto de fazer. Sempre gostei. Posso dizer que estou plenamente feliz.


E o que acha da dublagem de hoje em dia?

A dublagem mudou muito, nem de longe é artística como era no passado, mas também há inúmeras ferramentas disponíveis pra ajudar, como o Pro Tools. O ritmo é muito rápido, os anéis tem que “render”, e a demanda também é grande. Isso tudo porque não se imaginava o boom que ia ocorrer com a propagação da TV paga no começo dos anos 90, e a popularização dela nos anos 2.000. Tínhamos cerca de meia dúzia de canais abertos, e, na melhor das perspectivas, o que poderia acontecer? Dobrar? Mas não... triplicou, quadruplicou. Hoje temos talvez quase 100 canais passando em sua grande maioria filmes dublados. E a dublagem tem que acompanhar o ritmo. É o preço do progresso.

Print da tela do poderosíssimo software Pro Tools.

E sobre o advento na internet? Você até mesmo entrou para o Facebook...

É muito legal. Confesso que não sou muito bom nisso, tenho dificuldades de lidar, não sou um gênio como o Nelson Machado. Mas é muito prazeroso ver as montagens que os fãs fazem e marcam a gente, tem coisa ali que eu não fazia a mínima idéia que tinha feito na vida. E tem também você, que cataloga e pesquisa tudo aquilo que assiste, nos marcando e divulgando. Esse seu trabalho é muito importante, meus parabéns.


Muito obrigado! E algum projeto paralelo?

Estou também afiliado a fundação Pró-TV, ao lado de nomes como Vida Alves, que recentemente lançou um livro sobre os primórdios da tv, e temos expectativas de conseguir fazer muito pela história da arte neste país. Há também uma tentativa de revitalizar a Rua do Triunfo, um dos maiores pólos cinematográficos dos anos 70 e 80, onde diretores como José Mojica Marins (Zé do Caixão) começaram a ficar conhecidos. Por conta disso, tenho reencontrado muitos amigos de outrora. Tem muita coisa legal acontecendo.

Ouça a voz de José Parisi Junior, dublando o Metalder na Álamo, em 1989:

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Conversa com Lucia Helena Azevedo

Há pouco mais de um ano, tive a oportunidade - e o imenso prazer - de conhecer pessoalmente a atriz/ diretora/ dubladora Lucia Helena Azevedo, uma das profissionais mais gabaritadas e conhecidas da dublagem paulista. Ao lado dos amigos Vitor Souza e Yuri Calandrino, nos encontramos na hora do almoço, e pudemos conversar um pouco sobre a dublagem de um modo geral.

Lucinha foi extremamente gentil e atenciosa, doando seu tempo por algumas horas e contando coisas muito legais sobre sua carreira na dublagem, e pessoas que conheceu durante a vida profissional.

Como o foco deste espaço são as séries japonesas dos anos 80 e 90, estarei transcrevendo praticamente todo o bate papo focado nesse tema, respeitando ao máximo a oralidade, assim como fiz quando conheci a Christina Rodrigues. Vamos ao que interessa:


Quando você começou a carreira na dublagem? É possível Lembrar o ano, quem foi o diretor, o estúdio e o personagem?

Comecei a dublar com 12 anos. Hoje tenho 54, então foi em 1971, certo? Minha mãe, Yolanda Cavalcanti, era dubladora e trabalhava bastante na A.I.C. Tivemos uma vida bem pobre, e quando eu saia da escola, ia direto para o estúdio me encontrar com ela, e almoçávamos juntas numa venda que tinha lá perto. Um dia, o Nelson Baptista nos viu e disse que queria que eu fosse com ele fazer uma gravação. Relutei, pois tinha vergonha, e ele insistiu tanto que acabei indo. Era a série O Elo Perdido, onde ele fazia o menino, o Gilberto Baroli o pai, e eu a irmã. Fiz essa série inteirinha com ele me dirigindo diretamente na bancada. Depois, a informação de que eu estava dublando espalhou-se e chegou até a Cine Castro, então o Silvio Navas me chamou pra fazer um dos primeiros animes, eu acho, e o nome era Guzula. Fazia a amiga do monstrinho, a principal da série, e era muito gostoso fazer. Foram séries importantes com pessoas importantes no meio. Dublei também vários filmes na época, mas esses dois marcaram mais por serem os primeiros.


Em todos esses anos de carreira, qual o trabalho que mais exigiu de você, seja ele na direção ou na dublagem?

Ao longo desses anos todos, foram tantos trabalhos importantes que fica difícil citar um só. Mas teve um filme, que infelizmente eu não lembro o nome, mas era uma mulher que era surda e tinha dificuldade pra falar. Ela era a protagonista e falava o tempo todo, ria, chorava, tudo com muita dificuldade, era quase como se tossisse quando falava. Ela era muito intensa, muito emocional, enfim, foi muito trabalhoso fazer, e foi um desafio que motivou elogios, inclusive da própria emissora que exibiu o longa metragem. Todos os colegas que assistiram elogiaram. Já faz muito tempo, mas marcou. Vou citar um outro, que também exigiu muito de mim e é mais recente: GLEE, onde dublei a Sue Sylvester. Foi legal de fazer, e foi um trabalho importante. Na direção, há alguns anos dirigi o PRISON BREAK inteiro, que exigiu muito de mim, me envolvi ao extremo e tentei fazer da melhor forma possível, me preocupando muito com a amarração da historia de cada um. Ambos foram na DublaVideo.


Como foi a época das séries japonesas, iniciada em 1986 e finalizada em 1995? Havia testes para os personagens fixos ou simplesmente a escalação, baseado no conhecimento que o diretor tinha da capacidade de cada ator?

Foi exatamente neste período que cheguei na Álamo. Nunca havia dublado neste estúdio enquanto o prédio era na Major Sertório, só depois que mudou pra Rua Fidalga. Comecei fazendo algumas pontas no Jaspion e Changeman, dentre outras coisas, até chegar o dia em que o fui presenteada com a Sara/ Yellow Flash. Sim, a escalação era sempre segundo o feeling do diretor, que era o saudoso Líbero Miguel na época.



Seus primeiros trabalhos nesse gênero de série foram a Sáti e a Kanôko em Jaspion, e a Áira e Nâna em Changeman. Em seguida vc protagonizou Flashman, fazendo a Sara/ Yellow Flash. Como foi fazer a personagem numa das melhores dublagens na opinião dos fãs até hoje?

Sempre digo que a personagem que mais gostei de fazer foi a Sara, de tudo que fiz até hoje. Isso por que naquela época, éramos uma equipe muito unida, todos jovens, e que estávamos adorando dublar aquilo. Gravávamos todos juntos no estúdio 03 da Álamo, e nos divertíamos demais. As vezes um de nós errava, e tínhamos que fazer tudo de novo, daí o Líbero entrava “bravo” no estúdio e eu abraçava ele e acabávamos todos rindo. Até o seu Michael Stoll, dono da empresa, que era mais sério acabou se divertindo.


Depois do sucesso como Yellow Flash, vieram outros personagens eternizados pela sua voz, na sequência: Shinobú em Lion Man (Laranja); Ágnes e Janne em Jiraiya; Yôko em Jiban; Saôri em Lion Man (Branco); e várias pontas em Metalder e Sharivan. Recorda-se da Yôko e da Shinobú?

Lembro sim, mas no caso da Yôko, ela aparecia menos, pois o principal era o Jiban, personagem do meu querido e saudoso Carlos Laranjeira.



Você se lembra de algum fato curioso dos bastidores na época das gravações?

Lembro de nos divertirmos muito, o Brêtas era animado, o Camarão era um pouco mais reservado, mas também brincava, o Laranjeira maravilhoso e a Christina que sempre foi minha amiga, um doce. No fim do dia, depois de todas as gravações, íamos quase todo mundo para um barzinho descontrair. Isso acontecia com freqüência. Quando acabamos de fazer o Flashman, o Líbero e o seu Michael reuniram o elenco todo, e disseram que aquele era o melhor trabalho que tinham feito, mas porque tinha sido feito ali e com aquelas pessoas. Todos choramos e nos abraçamos, emocionados.

Fale um pouco sobre Líbero Miguel e Carlos Laranjeira, profissionais brilhantes que participavam frequentemente dos seriados, e que protagonizaram personagens ímpares durante suas carreiras.

Líbero foi como um pai pra mim. Adorava ele e senti muito quando partiu. Na minha opinião, nesta época, ele foi o maior e melhor diretor da história da dublagem, insubstituível, maravilhoso caráter e extrema competência. Amo ele onde quer que esteja.

Já o Laranjeira, foi o irmão que não tive. Conheci ele neste período, e nos tornamos amigos inseparáveis. Ele era uma pessoa muito honesta, leal, amigo, bondoso, humano, simples, risonho, e muito bonito por dentro e por fora. Adorava tomar sol, mesmo se fosse no topo do prédio onde morava. Não tinha vício nenhum, e adorava tomar suco natural, e eu acompanhava, sempre depois de dublar. Cantava divinamente, e a música predileta dele era “Paz do meu Amor/ Menino Passarinho”, que acompanhava tocando seu violão. No começo de 1991 ele ficou doente, afastou-se da dublagem, e foi morar em Santos com a família. Ficou vivendo lá, com uma das irmãs, onde continuou trabalhando com arte. Eu ia e voltava todos os dias para visitá-lo, e fiquei ao lado dele até o fim. A tristeza pela sua partida foi tanta que fiquei uma semana sem trabalhar. Até hoje sinto a falta dele. O vazio que ele deixou continua dentro de mim. Nunca mais a dublagem foi a mesma desde que eles se foram. Não existem mais pessoas como eles.


Outros grandes profissionais marcaram nossas vidas dublando inúmeros heróis e vilões, mas não existe quase nenhuma informação sobre eles, alguns nem mesmo uma só foto. Poderia nos contar algo?

Agora você já tem as fotos do Gastão Malta e do Ricardo Medrado. Gastão era uma pessoa séria, não gostava muito de brincadeiras, mas comigo sempre foi carinhoso, até porque já me conhecia desde pequena por causa da minha mãe. Marcos Lander tinha um humor fantástico, coisa que é difícil explicar. Era uma pessoa que brincava com tudo, sem baixar o nível e debochar, de bem com a vida. Era cativante. A Sônia Regina foi uma das minhas melhores amigas na época. João Paulo era o galã da dublagem, com aquela voz maravilhosa, tinha cabelos meio longos e usava bigode. Alguns atores de cinema só ele fazia. Ricardo Medrado era um jovem que andava de moto e usava roupas escuras. Curtia rock, e sempre usava óculos escuros. Tinha personalidade forte, mas era muito engraçado, descolado e inteligente. O Líbero gostava demais dele. O Nelson Baptista foi um dos diretores mais exigentes que conheci, pra ele não tinha meio termo, ou estava ótimo, ou estava péssimo. Aprendi muito com ele.


O que tem feito atualmente? Seja na dublagem, direção ou outros projetos? No caso de direção, em qual estúdio?

Até uns 3 anos atrás eu dublava frequentemente e dirigia na DublaVideo em tempo integral. Mas começou a ficar exaustivo demais, e acabei recebendo um convite da Tempo Filmes para dirigir apenas meio período, e acabei aceitando. Atualmente estou fazendo direção na Vox Mundi e na Centauro, intercalando direção e dublagem ao longo dos dias. São pouquíssimos estúdios de São Paulo que eu não trabalho.


Deixo aqui registrado meu muito obrigado à Lucinha, que realizou mais um dos tantos sonhos da minha vida quando se diz respeito a dublagem: o de poder encontrá-la pessoalmente e ouvir a sua voz - que pela vida toda acompanhei pela TV - saindo diretamente de sua boca. Foi emocionante e marcante para mim, e jamais esquecerei este dia. Longa vida e saúde para o sinônimo de voz das moças de olhos puxados nos anos 80 da Álamo!

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Conheçam Gastão Malta

Aos aficionados pela arte da dublagem, principalmente dos anos 80, é com grande satisfação que trago-lhes finalmente uma foto do grande Gastão Malta.

É óbvio que, aqueles na casa dos trinta e poucos anos automaticamente associarão o nome do profissional as famosas séries japonesas da Álamo, pois foi nelas que seus últimos anos de trabalho tiveram uma grande propagação.

Começando por alguns monstros espaciais no Changeman (quem não recorda do Hara Ross, o metaleiro espacial?), Malta protagonizou o principal vilão do seriado Flashman, no ano seguinte, dando voz ao maléfico Doutor Kéflen, do Cruzador Imperial Mess. Não há quem não lembre da marcante aparição do personagem e sua fala poderosa já no primeiro capítulo: "Estão correndo... estão voando... estão nadando! Estão brilhando... estão respirando! Toda e qualquer coisa tem vida! É impressionante a tamanha força da respiração de todas as vidas! Ó Monarca La Deus... TERRA! Que maravilhoso planeta!"


O próximo personagem semi-regular - mas não de menor importância - foi o Jonin Barão Owl, da série Jiraiya. Através dele, interpretando um misto de vilão e herói, novamente nos brindou com sua voz marcante e seu trabalho diferenciado.


Outra dublagem que não pode ser esquecida é a do maldoso Agdár, o monstro da cadeira de rodas em Lion Man. Nas demais séries, fez apenas pequenas participações e pontas.


Também fez muitos filmes, dentre eles, destaco o astro Gene Hackman (Lex Luthor) na dublagem paulista do Superman IV (que saiu apenas em VHS), e protagonizou uma versão paulista do desenho do Popeye, exibida pela rede Globo.


Segundo relatos, Gastão Malta sempre foi um profissional com uma qualidade artística acima da média. Reinou absoluto nas rádios, e sempre esteve entre os grandes nomes do meio. Houve épocas em que ancorava várias horas no ar, sozinho, como estrela máxima de seu programa na Rádio São Paulo. Além disso, foi escritor e novelista. Também é considerado por alguns colegas como um dos grandes nomes da dublagem, e que ajudou - por meio de atitudes nem sempre compreendidas em determinada época - a nortear esta então nova arte que vinha se disseminando cada vez mais, e cultivando outra legião de fãs.


Consta que era uma pessoa de personalidade forte, de humor ácido, e de poucas palavras. Porém, aqueles que lhe conheciam mais afundo, sabiam se tratar de uma pessoa de bem.

Infelizmente, não há relatos concretos da data exata de seu falecimento, mas calcula-se que seja no início do ano de 1992. O motivo foi um infarto, que originou-se de uma disfunção renal e em seguida complicações de uma falência múltipla dos órgãos. Não obtive sucesso em localizar nenhum familiar ou parente afim de agregar mais informações.

Assim, fica registrada uma pequena lembrança deste grande ator, que marcou a vida de inúmeros fãs, pelas diversas mídias que percorreu ao longo de sua carreira.

Ouça a voz de Gastão Malta clicando abaixo:


quarta-feira, 9 de abril de 2014

Nilson Nobre, a voz do Chefe Taboo

 Depois de muitos anos de pesquisa, eis que surge mais um nome importante para aqueles que lembram das dublagens das séries japonesas: Nilson Nobre.

Nilson apareceu na dublagem no final de 1989, na Álamo, como a grande maioria, fazendo pequenas pontas, e com o tempo pegando papéis maiores.

A primeira vez que ouvi a sua voz, foi na série Metalder, que estreou na TV Bandeirantes em Abril de 1990. Curiosamente ele fez dois personagens - na verdade intercalou - que ora eram dublados por ele, ora pelo José Parisi: o cão Springer e o inimigo/ aliado Top Gunder.


Também fez outros personagens de um só capítulo, como o KS Brunei (capítulo 11) e Ômega Ben K (capítulo 13).


Participou das versões brasileiras de Machineman e Goggle V, neste último, fazendo um papel fixo, o do Chefe Taboo, o imperador do Grupo da Ciência Malígna Desdark.


Em 1991, seguiu dublando, e fez dois dos três últimos tokusatsu's exibidos neste ano pela Rede Manchete: Maskman e Spielvan. No primeiro, a maior participação foi no episódio 46, o monstro Godaidogla. No último, o hilário Mecanóide Gunman, no capítulo 11.


Os últimos registros que encontrei de seus trabalhos datam de 1993, ainda na Álamo, em séries como o desenho animado Doug e filmes como Um Grito na Escuridão, em pequenas participações e vozerios.

Infelizmente não consegui informações sobre parentes desse profissional, e por este motivo não há uma foto de seu rosto. Alguns colegas de trabalho lembraram-se dele ao ouvir o trecho de voz, e disseram-me que além de ator, ele era cartunista e tocava numa banda. Infelizmente é falecido, e não há dados a respeito da data exata.

Enfim, mais um mistério para os saudosos fãs da dublagem da época é revelado. Embora na minha singela opinião o Nilson não tenha sido um dos integrantes do "Time A" da dublagem, seu trabalho marcou a vida de quem viu essas séries. Por isso, deixo esta homenagem à sua memória.

Ouça a voz de Nilson Nobre abaixo:



domingo, 23 de março de 2014

Jiraiya Relançamento - Review

Quando todos menos esperavam (ou melhor, esperavam, mas não desta forma), a Focus Filmes relançou o Box do Jiraiya contendo a série completa num só digistack, seguindo o padrão dos demais tokusatsus lançados desde 2009.

Para a surpresa dos fãs, que ficaram furiosos com o primeiro lançamento - sim, aquele das legendas problemáticas, imagem de tv japonesa e áudio mutiliado - eis que esse relançamento corrigiu grande parte dos problemas apresentados anteriormente, confome podem ser relembrados nos reviews do boxes 01 e 02.

Como comprei todos as coleções no formato lata quando do primeiro lançamento, optei por não adquirir nenhum da nova safra, já que era o mesmo produto apenas contendo nova embalagem. Mas meu primo comprou este do Jiraiya, e peguei emprestado ontem pra analisar. Infelizmente meu tempo está curto, e não vou poder "dissecar" como fazia antigamente, mas atendendo a pedidos de fãs e amigos, vou me esforçar pra demonstrar um pouco mais sobre o trabalho refeito, para aqueles que pensam em adquirir finalmente decidirem. Vamos lá:

MENUS: Já existe prints na internet e havia até mesmo um vídeo no Youtube. Bem diferente do padrão que vinha sendo utilizado, mais baseado no estilo Blu-ray. Há alguns erros de grafia, como "Paco" e "Torra".

 

IMAGEM: Ótima, e nada de vídeos ripados do Toei Channel (que na verdade pertenciam ao primeiro lançamento da coleção pirata). Todos os 50 capítulos com imagem padrão, sem diferenciação de contraste e nitidez;

DUBLAGEM: A versão que todos conhecemos, porém desta vez nada de inibir os bordões clássicos ("Numa Distribuição Top Tape" e "Versão Brasileira: Álamo") com BGM's sem sentido, tiradas do decorrer dos capítulos. Como já foi noticiado, o trecho da fala da menina no capítulo 10 e o preview do capítulo 30 foram incluídos. Porém, os previews que não tem dublagem, tiraram até mesmo o som original, deixando MUDO. Se quiser ouvir, tem que mudar do PT para o JP;

EXTRAS: Seguindo o padrão nipônico, fichas técnicas dos personagens com pequenos textos, com alguns erros de grafia. Nos últimos discos, requentaram as ilustrações de books que saíram na primeira vez, mantendo os mesmos nomes errados e misturados. Ou seria Yarinin Toppa - o nome japonês - ou Yanin Spiker, o nome usado na dublagem.

 

REPRODUÇÃO: Incluído a seleção de capítulos dentro do episódio, fato que nunca havia existido até então nos lançamentos da empresa. Facilita muito pra assistir e pular direto pra parte desejada (OP, Parte A, Parte B, ED, e Preview);

LEGENDAS: O ponto alto do lançamento. Totalmente refeitas com diálogos, nomes de personagens e golpes seguindo o original em japonês. Timming OK, NENHUMA legenda forçada (obrigatória), e não encontrei problemas com concordância verbal e erros de grafia. As músicas de abertura e encerramento foram traduzidas. Prints:

TÍTULOS:

 
 

GOLPES:

 

PLACAS:

 
 
 
 
 

DIÁLOGOS:

 
 
 

Pelas placas - aquelas que desde a época da Manchete víamos os Kanjis e ficávamos no vácuo - é legal saber um pouco mais sobre o que ocorre nos capítulos.

Pelas conversas, depois de assistir a série dublada pelo menos 50 vezes cada capítulo no decorrer da vida, algumas ficam gravadas na memória, e podemos ver que não são transcrições diretas, já que o Hananin Kurozaru fora chamado de "Yuji", e os nomes dos personagens em outros capítulos eram "Seiji" e "Mie", que são bem mais sonoros em nossa língua.

Esses foram os pontos positivos. Mas nem tudo é perfeito... há delays no áudio em relação a imagem em diversos capítulos, alguns perceptíveis apenas aos perfeccionistas de plantão (caso do 13 - As Sete Sombras e 21 - A Dimensão da Amizade), e outros bem acentuados com uma diferença que deixa difícil assistir, exemplos: 03 - A Esmeralda (logo após o eyecatch), 19 - A Invasão e 45 - A Ponte do Amor e da Esperança.

O episódio 37 - O Homem de 2.300 Anos é o único que apresenta delay na legenda, aparecendo um pouco atrasada.

RESUMO: minha avaliação pessoal é de que VALE a compra, apenas porque o primeiro lançamento foi muito fraco. Diferente de Jaspion, Changeman, Flashman e Jiban, optaram por corrigir os erros grotescos, embora nem tudo tenha saído perfeito. Nota 9. Vale a pedida pra quem quiser ter uma perspectiva diferente da série, vendo no idioma original e captando informações que foram adaptadas/ suprimidas na dublagem.